COM QUANTAS MÃOS
SE FAZ UMA COLEÇÃO?

Uma coleção lançada na semana antes do Natal só poderia ser feita em família. Aliás, muitas famílias envolvidas nesse resultado!
Neste último ano de 2020 trabalhamos a muitas mãos e também muitos corações.
Já conhecíamos o trabalho das “mamães bordadeiras” do Lá da Favelinha e propusemos uma parceria para os produtos que estávamos desenvolvendo. Uma coleção cheia de processos e historinhas que vamos contar agora.

Começando pela ilustração: o que queríamos era simplificar em desenhos de linhas, só contorno, alguns decalques clássicos que colecionamos desde uma vida. Escolhemos os nossos favoritos e pedimos para a ilustradora Helena Cintra fazer essa releitura. Linhas prontas, mandamos para nosso amigo querido Éder Almeira, serígrafo experiente e atencioso que transformou nosso desenho em estampa localizada.
Tudo isso aplicado em um tecido que é uma preciosidade: um algodão rústico mostarda, chamado de “linhão” pela característica da sua trama, produzido pela já extinta fábrica nacional Renaux.
Levamos uma amostra de cada estampa ainda somente nas bandeiras de tecido lá pra Favelinha e nos reunimos com o grupo das bordadeiras, ainda identificadas pelo nome da oficina “Terapia com Arte”.
Um processo muito rico de troca e trabalho criativo e amoroso que culminou na coleção que vocês podem ver nas fotos abaixo, na loja, e também na identidade visual do grupo Ponto Chic Favelinha, que também nasceu desse processo.
Com as amostras bordadas, passamos para a etapa de dar forma aos produtos e fazer os protótipos. Foram todos feitos em Cajuru-SP pela Gilena Luz, mãe de uma, irmã da outra! Um capricho que só mãe mesmo!
Para produzir mais perto da gente, outra mãe querida entrou com todo amor nesse processo e costurou toda a produção de almofadas, passadeiras e americanos dessa coleção. Não suficiente, a Lurdinha Silva Araujo ainda doou todo o seu pagamento para a Casa Espirita Abrigo da Luz fazer enxoval para bebês de mães em situação de vulnerabilidade.
Para finalizar essa viagem bonita, não menos importante, esses registros lindos foram feitos pela Alba Martinez, olhar atento e sensível acompanhando uma das nossas reuniões de processo com as bordadeiras.